Visões Momentâneas - Idianara Lira Navarro


Ilustração de Alexander Jansson
A pureza impura do branco.
Músicas coloridas de um rádio preto.
Velho armário de um passado tão desgastado
e triste quanto ele.
Falta de fé e de crença.
Restos de vida.
Flores falsas e sem brilho.
Planta teimosa e imutável.
Objetos que não combinam.
Tic tac forte de um relógio fraco.
Pessoas impulsivas e irracionais.
A sórdida alegria inventada pela hipocrisia.


5 comentários

  1. Olá Idianara seu blog está esplêndido! Ótimas dicas , gostei da resenha de "Amor de Perdição", e esse poema à la Álvaro de Campos/Pessoa ficou muito bom!
    Abraço do Gonçalves.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sidney! Como sempre muito obrigada pelo carinho! Abraços, Idianara.

      Excluir
  2. Bem-vinda a Matrix...


    Ótimo texto, captou a realidade nua e crua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcelo! Obrigada! Seja bem vindo ao Encanto Literário!Abraços,Idianara.

      Excluir