Minhas Citações Favoritas


Olá Pessoal!

Este é o primeiro post da coluna Minhas Citações Favoritas. Sempre adorei compartilhar frases e trechos de livros que eu gosto, principalmente através do instagram, porém tem obras que possuem tanto conteúdo interessante, que decidi criar esta coluna.O livro que escolhi para inaugurar este espaço é Fahrenheit 451 de Ray Bradbury (Editora Globo – ed. 2007)

Sinopse: 
Fahrenheit 451, editado em 1953, pinta um futuro sombrio para a história, quando todos os livros foram proibidos e eram queimados.  Atualíssimo e premonitório de nossa época denuncia como os meios de comunicação, em especial a TV, podem manipular o pensamento e os sentimentos dos telespectadores, criar fatos e gerar guerras.

Citações:

“Às vezes pode levar uma vida inteira para um homem colocar seus pensamentos no papel, depois de observar o mundo e a vida...” (pg. 69)

“Não se pode precisar o momento em que uma amizade se forma. Como ao encher gota a gota uma vasilha, há, no final, uma gota que a faz transbordar, assim, também, em uma série de gentilezas, há uma que, por fim, faz o coração transbordar.” (pg. 91)

“Temos tudo o que precisamos para ser felizes, mas não somos felizes. Alguma coisa está faltando. Olhei em volta. A única coisa que tive certeza que havia desaparecido eram os livros que queimei durante dez ou doze anos. Por isso, achei que os livros poderiam ajudar.” (pg. 103)

“A magia está apenas no que os livros dizem, no modo como confeccionavam um traje para nós a partir de retalhos do universo.” (pg.104)

“Entende agora porque os livros são odiados e temidos? Eles mostram os poros no rosto da vida.” (pg. 104)

“Não temos tempo, dinheiro ou tanto amigos assim. As coisas que você está procurando, Montag, estão no mundo, mas a única possibilidade que o sujeito comum terá de ver noventa e nove por cento delas está num livro.” (pg. 108)

“Todos devem deixar algo para trás quando morrem, dizia meu avô. Um filho, um livro, um quadro, uma casa ou parede construída, um par de sapatos. Ou um jardim. Algo que sua mão tenha tocado de algum modo, para que sua alma tenha para onde ir quando você morrer. E quando as pessoas olharem para aquela árvore ou aquela flor que você plantou, você estará ali. Não importa o que você faça, dizia ele, desde que você transforme alguma coisa, do jeito que era antes de você tocá-la, em algo que é como você depois que suas mãos passaram por ela. A diferença entre um homem que apenas para gramados e um verdadeiro jardineiro está no toque, dizia ele. O aparador de grama podia muito bem não ter estado ali; o jardineiro estará lá durante uma vida inteira.” (pg.187)

Abraços!!

2 comentários

  1. Excelente história! Amo este livro e vi que um filme será lançado! Quando leio que um filme será baseado em boas histórias, automaticamente chama a minha atenção, adoro ver como os adaptam para a tela grande. Acho que será um dos melhores filmes de ficção cientifica este ano. A história é impactante, a acho que parece muito real agora. Pelo que vi no trailer cuida todos os detalhes e como resultado é uma grande produção. Já quero ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade este livro é maravilhoso e nos faz refletir muito sobre vários aspectos de nossa sociedade e de nós mesmos como seres humanos inseridos nela. Apesar de ter sido lançado na década de 50, sua narrativa é altamente apropriada a nossa atualidade. Eu também estou curiosa para assistir esta adaptação da HBO,pois já vi a adaptação que foi lançada em 1966 e dirigida por François Truffaut e gostei muito. Abraços!

      Excluir