Resenha: O Duque e Eu - Julia Quinn




Como não se apaixonar pelo Duque? Esse que deveria ser o título do livro, ah se tinha! Para mim O Duque e Eu, foi o melhor livro que li este ano, me apaixonei pessoal! 




Título Original: The Duke and I  
● Autor: Julia Quinn
 Ano: 2013 
● Gênero: Romance, Romance de época
● Páginas: 288
● Editora: Arqueiro
Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas.
Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível.
É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga.
A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.
Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem ..
O livro tem tudo: humor, romance, é hot mais não aquele hot que estamos acostumadas a ler, tem ação (podemos chamar aquelas brigas de ação), é completo e o final não poderia ser melhor do que foi. Tenho certeza que muitos que lerem esse livro vão achar ele perfeito! (dando pulinhos aqui) E ainda tem sete livros pessoal, é muita coisa, isso anima qualquer um não é? A família Bridgerdon é composta de oito irmãos, sendo eles: Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth, imaginaram que teremos muito com o que rir não é? 



Naquela época as mães saiam em busca de esposas e maridos para seus filhos e filhas, foi assim que aconteceu com Daphne, ela tinha que aguentar a mãe que a apresentava para vários homens em festas. Daphne deseja sim se casar um dia, mas com um homem que ela amasse e que retribuísse seu amor e também e pelo que vi, sua mãe entende isso. Outra questão, é que ninguém vê Daphne como um bom partido, pois ela é uma boa amiga e acham que não será uma boa esposa.


- Mamãe!   - Muito bem. Os seus deveres conjugais... quer dizer, a consumação... é como se fazem os bebês. Daphne se apoiou na parede. - Então a senhora fez isso oito vezes?



O mesmo não acontecia com Simon Basset que se tornou o Duque de Hastings, pois se a mãe não tivesse morrido em seu parto,  iria arrumar várias pretendentes para seu filho. Imagina ai um homem bonito, charmoso e muito inteligente, acaba se tornando alvo das mães que estão desesperadas para ver suas filhas casadas, mas por conta do que aconteceu em seu passado ele toma a decisão de que não irá se casar de jeito nenhum. Será que possível?!



No meio de uma festa Simon conhece Daphne, não é uma das melhores situações para conhecer uma dama, já que ela está digamos, batendo em um dos seus pretendentes. E naquele instante, ele fica atraído pela menina, porém, dentro de si a vontade de se vingar é maior, e quando percebe que ela é irmã de um dos seus amigos, Antony, ele sabe que não pode se envolver e nem tirar uma casquinha.



Entretanto, o que eles fazem depois disso é incrível: Simon e Daphne fazem um acordo, que será para o bem dos dois. Para ele vai espantar as pretendes e para ela vai atrair, será possível???? Com isso, Simon passa a cortejar a moça, mas isso é apenas uma brincadeira viu.


 - Você pensava em mim? - perguntou Daphne num arquejo, sentindo o corpo se excitar com essa ideia. - Pensava nisto? A mão que segurava seus quadris apertou mais. - Todas as noites. Sempre antes de dormir, até minha pele começar a queimar e meu corpo implorar por alívio. Daphne sentiu as pernas fraquejarem, mas ele a sustentou. - E depois, quando eu caía no sono...- Sua boca foi até o pescoço dela, acariciando-o não só com os lábios, mas também com os arquejos. - Era aí que eu ficava realmente safado. Daphne deixou escapar um gemido estrangulado, incoerente e cheio de desejo.



Será que eles se casarão? Não quero dar mais detalhes gente, pois, eu não iria gostar de saber o que vai acontecer, se ainda não tivesse concluído minha leitura, porém, posso garantir que várias cenas são bem humoradas, então se você lê livros em público já estou avisando para se controlar, pois com certeza você irá rir muito.😂😂



O legal da autora é que em um único livro ela nos apresenta a família inteira, desde a mãe Violet (me apaixonei pelo jeito dessa mulher) aos irmãos menores de Daphne que são ótimos (aiaiaia eu ri muito na guerra de ervilha). Os cenários, e os costumes foram bem escritos, uma leitura rápida e fácil de entender.


“- As mães da sociedade, seu tolo. Aqueles dragões cuspidores de fogo que têm filhas em idade de casar, que Deus nos ajude. Você pode fugir, mas é impossível se esconder delas. E devo alertá-lo para o fato de que a minha é a pior de todas. – Minha nossa... E eu pensando que a África era perigosa.”



Bora aguardar o próximo livro?



Foto -Julie Cotler Pottinger
Julia Quinn começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 8 milhões de exemplares vendidos, sendo 3,5 milhões da série Os Bridgertons. 

É formada pelas universidades Harvard e Radcliffe. Seus livros já entraram na lista de mais vendidos do The New York Times e foram traduzidos para 26 idiomas. Foi a autora mais jovem a entrar para o Romance Writers of America’s Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos, e atualmente mora com a família no Noroeste Pacífico.


Nenhum comentário