Poema: Carnais - Gonçalves Reis


Pintura de Leonid Afremov
"Carnais, sejam carnais tantos desejos,
Carnais, sejam carnais tantos anseios,
.....................................................
Sejam carnais todos os sonhos brumos
De estranhos, vagos, estrelados rumos"
(Cruz e Souza)

Na fome abrasadora – e tão voraz,

Um beijo dado assim despudorado,
A lingerie lançada para o lado,
Começa o exercício pertinaz...

Os lençóis de cetim, velas e mais,
O aroma do morango adocicado,
Deixando o ambiente então levado,
Libidinoso, erótico assaz...

Tantos desejos, tantas fantasias,
Desideratas, carmes, poesias,
Misturam-se aos sussurros como arpejos.

Nessa canção em chama incandescente,
Cada beijar diz isso simplesmente:
Então “sejam carnais tantos desejos.”
14/06/12

0 recadinhos