Um rabisco qualquer - Gonçalves Reis


“Não sou um poeta.
Sou um verso do universo
Que não se completa!”
Arão Filho


Sou verso branco e busco um bem bastante,
Degusto em grande gosto – em gozo e gula –,
A rica rima rara – com firula –,
Instando-me – num ímpeto –, d’instante...

Procuro o ponto – e a ponta – que me espante,
Na lida cada letra – a mim – pulula...
Nadando em mar de anelo não me anula,
A ânsia, e o amor na alma adiante...

Em vão até me acho – e fico ancho –,
Co’ a pena, o papel com tinta mancho;
Um rabisco qualquer – pensando em verso.

E vejo, então: “Não é fácil ser poeta!”
Pois meu rabisco nunca se completa,
Sou pólen de poeta ao universo...
22/07/09

0 recadinhos

Agradeço seu contato. Responderei assim que possível. Atenciosamente, Idianara Lira.