Dica de Livro: Os olhos da Escuridão - Dean Koontz




Os olhos da Escuridão, publicado em 1981, o livro do escritor norte-americano Dean Koontz ganhou as mídias do mundo por apresentar fatos que coincidem com a atual realidade e pelo avanço das Fake News criadas a partir da obra.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, muitos têm relacionado o atual momento em que vivemos com a obra ficcional Os olhos da Escuridão, escrita em 1981 pelo romancista americano Dean Koontz, e publicado aqui no Brasil pela Citadel Editora.

No livro, o autor descreve uma arma biológica viral e altamente letal, que causa graves problemas respiratórios e mata em até 24 horas. Chamado de Wuhan-400, o micro-organismo foi desenvolvido pelo cientista Li Chen em um laboratório secreto nas proximidades de Wuhan, na China.

Curiosamente, essa é a mesma cidade que apresentou os primeiros casos reais da COVID-19, tornando-se o epicentro da doença. Outro fato que coincide com a realidade, é o cientista chinês Li Chen levar o mesmo nome de um pesquisador real que publicou estudos sobre classes de coronavírus em 2018, na revista especializada Emerging Microbes & Infections.

E é nesse cenário perturbador e realista que se passa a história de Tina Evans, uma mãe em busca de aceitação pela morte de seu filho, que faleceu em um acampamento de férias, onde todos presentes no local também tiveram o mesmo fim trágico: uma morte misteriosa.

Envolvida em um emocionante suspense, Tina começa a receber sinais que indicam que seu pequeno Danny possa estar vivo. Tomada por uma obsessão que a levará até a verdade por trás do que realmente aconteceu, ela encontrará segredos mortais sobre o vírus Wuhan-400 que podem estar relacionados ao seu filho.
“— Para entender isso, você precisa voltar vinte meses no tempo — Dombey falou. — Foi mais ou menos nessa época que um cientista chinês chamado Li Chen veio para os Estados Unidos, trazendo com ele um disco com o registro da mais importante e perigosa nova arma biológica da década feita pela China. Eles chamam essa coisa de ‘Wuhan-400’ porque ela foi desenvolvida nos laboratórios de rDNA na periferia da cidade de Wuhan, e essa foi a quadringentésima cepa viável de micro-organismos criados pelo homem nesse centro de pesquisa.” (trecho do livro - pg. 254)
Numa suposta previsão dos acontecimentos que seguiram a humanidade com a COVID-19, os fatos narrados em Os olhos da Escuridão, levaram alguns internautas a criarem incontáveis Fake News¹. Com uma escrita comovente e intrigante, a obra não deixa ser um convite para os fãs desse gênero que desejam refletir sobre a pandemia do novo coronavírus que assola milhões de pessoas ao redor do mundo.

Vale lembrar, que as semelhanças do Wuhan-400 e da COVID-19 são poucas, já que o autor

descreve o vírus como altamente infeccioso e tem manifestação em até 4 horas, levando o infectado a óbito imediato. Por outro lado, o novo coronavírus apresenta um ciclo de infecção diferente, podendo manifestar a doença de 5 a 14 dias após o contágio. Além disso, a taxa de mortalidade da COVID-19 é de aproximadamente 3% para pessoas mais jovens e de até 15% para idosos, já o vírus da ficção, Wuhan-400, é 100% letal para qualquer um.

Nota do editor: 
Importante ressaltar que o quando o livro foi lançado em 1981, o nome do vírus era outro, ele chamava: Gorki-400. Depois ao final da Guerra Fria entre Estados Unidos e a ex-União Soviética o autor decidiu alterar o nome do vírus para Wuhan-400, mas isso ainda foi no final da década de 80, e não alterado agora como alguns noticiaram. Veja abaixo o que é verdade e o que é boato em torno do livro.

Atenção: entenda as polêmicas e curiosidades em torno da obra. 

De acordo com o jornal Correio Braziliense, na primeira edição do livro, lançado em meio a Guerra Fria entre Estados Unidos e a ex-União Soviética, o nome do vírus era Gorki-400, porque teria sido criado pelos Russos. Porém, após o fim da Guerra, o autor realmente mudou o nome do vírus ficcional para Wuhan-400, mas o novo título foi apenas uma incrível coincidência com a cidade que iniciou o surto da COVID-19.

Outro ponto importante é que o livro não faz nenhuma menção que, em 2020, haveria um surto de doenças respiratórias, como uma pneumonia, que se espalharia pelo mundo. Segundo o G1, as páginas que circulam pela internet contendo esses dizeres, trata-se de um trecho retirado de “End of Days: Predictions and prophecies about the end of the world”, de Sylvia Browne, publicado em 2008.

Também, como foi esclarecido pela CNN e pela Folha de S.Paulo, o vírus ficcional do livro foi criado em laboratório para dizimar a população, já na realidade nada comprova que o novo coronavírus seja uma arma biológica feita por algum governo.

Para os fãs de Dean Koontz, a Citadel Editora também revela que em breve chegarão outros livros do autor no Brasil, entre eles Demon Seeds; Life expectancy; Watchers e The husband.

Sobre o livro: 
Um ano se passou desde a morte do pequeno Danny. Um ano desde que sua mãe iniciou o doloroso processo de aceitação. Mas Tina Evans poderia jurar que acabou de vê-lo dentro do carro de um estranho. Na última perturbadora noite sonhou com seu filho. Ao acordar, foi até o quarto de Danny e para sua surpresa lá estava uma mensagem. Três palavras perturbadoras rabiscaram no quadro-negro: NÃO ESTÁ MORTO.

Foi a piada sombria de alguém? Sua mente pregando peças nela? Ou algo … mais? Para Tina Evans, era um mistério que ela não podia escapar. Uma obsessão que a levará até as últimas consequências atrás da verdade por trás da morte de seu filho. Um terrível segredo que não foi visto por ninguém, apenas pelos Olhos da escuridão.

Sobre o autor: 

Dean Koontz, autor de vários best-sellers de ficção nos Estados Unidos, vive no sul da Califórnia com sua esposa, Gerda, sua golden retriever, Elsa, e os espíritos de seus pets, Trixie e Anna.



0 recadinhos

Agradeço seu contato. Responderei assim que possível. Atenciosamente, Idianara Lira.